11/06/2022 às 00h29min - Atualizada em 11/06/2022 às 00h29min

Justiça boliviana condena ex-presidente Jeanine Añez a 10 anos de prisão por golpe de 2019

A ex-presidente já havia sido presa no dia 13 de março de 2021, acusada inicialmente de terrorismo, sedição e conspiração.

Redação
A Justiça da Bolívia condenou a ex-presidente Jeanine Añez a 10 anos de prisão na noite desta sexta-feira (10). Segundo o Tribunal de Primeira Instância de La Paz, ela é acusada de resoluções contra a constituição e incumprimento de deveres em seu envolvimento no golpe de 2019.
 
O júri do caso começou no dia 28 de março. Em sua última ida ao tribunal, a ex-presidente afirmou que só assumiu o comando da Bolívia por causa das ameaças contra ela e sua família.
 
“Havia um vazio de poder e eu também poderia ter dito, não me atrevo a assumir a presidência porque a minha vida e a da minha família estão em perigo. Em Trinidad ameaçavam queimar minha casa. Não movi um único dedo para assumir a presidência”, alegou Añez.
 
No tribunal, ela – que era senadora na época – também afirmou que estava se retirando da política, contudo, em virtude da situação que a Bolívia atravessava, ela decidiu assumir a presidência.
 
“Bolívia sabe que sou uma consequência do que aconteceu em 2019”, pontuou a ex-presidente.
 
Segundo as denúncias, após a renúncia de Evo Morales em 10 de novembro de 2019, Añez assumiu a presidência de forma irregular, em conluio com as forças militares e a polícia. A ex-presidente já havia sido presa no dia 13 de março de 2021, acusada inicialmente de terrorismo, sedição e conspiração.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
publicidade 1200x90
;
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp