09/02/2020 às 11h33min - Atualizada em 09/02/2020 às 11h33min

Miliciano ligado a Flávio Bolsonaro morre na Bahia

Adriano da Nóbrega era chefe do Escritório do Crime.

Morreu na manhã deste domingo (9) o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega após troca de tiros com a Polícia Civil da Bahia.

O miliciano foi apontado pelo Ministério Público (MP) como chefe do chamado Escritório do Crime. Foragido há mais de um ano, ele é citado na investigação que apura a prática de “rachadinha” no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

A mãe de Adriano, Raimunda Veras Magalhães, e a esposa dele, Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj.

Além de empregar parentes de Adriano, Flávio Bolsonaro homenageou o miliciano em duas oportunidades.

Em outubro de 2003, Flávio apresentou uma moção de louvor ao PM. Na homenagem, afirmou que Adriano atuava com “brilhantismo e galhardia”.

Em julho de 2005, Flávio concedeu uma nova homenagem ao policial. Desta vez entregou a ele a Medalha Tiradentes, a mais alta honraria do parlamento fluminense.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, Adriano foi encontrado no município de Esplanada - BA. A informação oficial é de que, quando os policiais chegaram, ele efetuou disparos e, na troca de tiros, foi ferido. Adriano, então, foi levado a um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
;
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp