24/11/2021 às 11h29min - Atualizada em 24/11/2021 às 11h29min

São Paulo pode eleger Dora Cavalcanti, a primeira mulher a presidir a OAB no estado

Candidata a presidente seccional paulista pela chapa 20, a OAB tá On, a criminalista Dora Cavalcanti destaca a oportunidade histórica que a entidade tem de renovar seus quadros, se modernizar e abraçar a diversidade.

Redação
Foto: Dora Cavalcanti e Lazara Carvalho/Divulgação.
Nesta quinta-feira (25) advogadas e advogados do estado de São Paulo têm um compromisso com as urnas para eleger a nova diretoria da OAB-SP, assim como os novos conselheiros e diretores da CAASP, além das diretorias das subseções.
 
Candidata a presidente seccional paulista pela chapa 20, a OAB tá On, a criminalista Dora Cavalcanti destaca a oportunidade histórica que a entidade tem de renovar seus quadros, se modernizar e abraçar a diversidade.
 
“Em 90 anos de existência, a OAB-SP nunca teve uma presidente mulher. Há duas décadas, o mesmo grupo comanda a Ordem em São Paulo, e o resultado é uma entidade sem expressão, enfraquecida, que não representa o todo da advocacia. A prova disso é que nas últimas eleições tivemos quase 50% de abstenção”, destaca Dora.
 
Essas são as primeiras eleições em que todas as chapas da OAB do país precisaram preencher as cotas de 50% de mulheres e 30% de pessoas negras. O cumprimento da cota racial gerou contestações em diversas seccionais. Em São Paulo, apenas a chapa 20 não teve qualquer pedido de impugnação.
 
“Desde o início dessa jornada dissemos que não estávamos aqui para cumprir cotas. Eu e a minha vice, Lazara Carvalho, construímos uma chapa bastante plural que representa todas as vozes da advocacia. Nesse sentido, o cumprimento das cotas não foi um problema para a chapa 20, pelo contrário”, disse Dora.
 
Entre as principais propostas de Dora Cavalcanti para o próximo triênio da OAB-SP estão: maior transparência nas contas da entidade, implementação do voto online, fim da reeleição, criação de três novas diretorias (Diretoria de Subseções, Diretoria de Política de Diversidade e Inclusão e Diretoria de Inovação e Tecnologia), criação do Super Ministério das Prerrogativas, cumprimento da pauta antirracista, implementação de políticas afirmativas, novo marco legal da assistência judiciária, pacote pós-pandemia, regulação e criação de novos cursos jurídicos e defesa das atividades privativas da advocacia, além do resgate do papel institucional da OAB-SP na defesa do Estado e da advocacia.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
;
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp