01/01/2021 às 12h28min - Atualizada em 01/01/2021 às 12h28min

Satélite comprado por R$ 175 milhões sem licitação pelos militares é inútil

Os militares foram advertidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o INPE, de que o satélite que pretendiam adquirir era inútil para monitorar a Amazônia. Mesmo assim, compraram, sem licitação. E esconderam o parecer do INPE da Câmara dos Deputados.

Os militares sabiam que o satélite-radar da banda X adquirido sem licitação pelo Comando da Aeronáutica por R$ 175 milhões ao apagar das luzes de 2020 é inútil.

Segundo o jornalista Rubens Valente, do Portal UOL, que revelou a operação, “em um documento protocolado em setembro, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) informou ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC) que o satélite-radar da banda X (...) ‘não é apropriado para o monitoramento do desmatamento na Amazônia’”. O parecer do INPE foi omitido nas informações que o governo Bolsonaro enviou sobre a aquisição à Câmara dos Deputados.

Na quarta-feira (30), conforme reportagem publicada por Valente, o Comando da Aeronáutica assinou o contrato com a empresa finlandesa Iceye pelo qual adquiriu um satélite-radar por US$ 33,8 milhões, ou cerca de R$ 175 milhões.

A Aeronáutica se recusou a informar a banda do aparelho, dizendo que o contrato é sigiloso por cinco anos, mas em outubro havia informado a Valente, em resposta a um pedido via Lei de Acesso à Informação (LAI), que estudava adquirir um satélite-radar da banda X. A banda é determinante para saber a capacidade de um satélite-radar, conforme especialistas. “A banda L é considerada a mais sofisticada e cara. A banda X, a mais simples e barata”, escreveu o jornalista.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
publicidade 1200x90
;
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp