11/09/2020 às 14h30min - Atualizada em 11/09/2020 às 14h30min

Celso de Mello obriga depoimento pessoal de Jair Bolsonaro

Inquérito no STF é sobre a interferência de Bolsonaro em investigações da Polícia Federal denunciada pelo ex-ministro Sérgio Moro.

O ministro Celso de Mello, relator do Inquérito 4.831, instaurado contra o Jair Bolsonaro (Sem Partido) e seu ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, negou ao chefe de estado a prerrogativa processual de depor por escrito. Tal pedido havia sido feito pelo procurador-Geral da República, Augusto Aras.

A decisão também autoriza que Moro acompanhe pessoalmente o interrogatório, podendo inclusive fazer perguntas. O inquérito apura se Bolsonaro tentou interferir no comando da Polícia Federal (PF), com vistas a proteger familiares e aliados. A investigação foi aberta a pedido do PGR depois que Moro, em coletiva para anunciar sua demissão da pasta, sugeriu que o presidente tentou interferir na PF.

A decisão do ministro se amparou no artigo 221, caput e parágrafo 1º, do CPP. Os dispositivos somente concedem esse benefício - depoimento por escrito - aos chefes dos três poderes da República que figurem como testemunhas ou vítimas - não, porém, quando estão na condição de investigados ou de réus.

A decisão já se encontrava pronta em 18 de agosto, quando o ministro foi internado para ser submetido a uma cirurgia, o que o impediu de assinar o ato decisório. Apesar de continuar em licença médica, a assinatura foi feita agora, o que é autorizado pelo artigo 71, parágrafo 2º, da Lei Orgânica da Magistratura Nacional.

Enquanto relator do inquérito, Celso de Mello já havia tornado pública a gravação de reunião ministerial de 22 de abril, quando Bolsonaro teria sugerido a interferência na PF para blindar família e aliados. Moro prestou depoimento a respeito no início de maio.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
;
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp