19/05/2022 às 11h03min - Atualizada em 19/05/2022 às 11h03min

Montadoras estão sabotando meta climática de 1,5°C

Fabricantes de automóveis fazem lobby contra a políticas alinhadas ao Acordo de Paris e não planejam produzir veículos elétricos no sul global.

Redação
InfluenceMap
As maiores montadoras do mundo estão minando as metas climáticas globais ao não conseguirem atingir metas para a fabricação de veículos elétricos. Para isso, as empresas estariam fazendo lobby para prolongar a vida útil do motor de combustão interna, indica uma nova pesquisa do think tank InfluenceMap.
 
A pesquisa mostra ainda que as principais montadoras estão planejando descarregar a produção de veículos movidos a combustão interna em países pobres, principalmente na América do Sul. As empresas planejam produzir apenas 3% de veículos elétricos a bateria na América do Sul até 2029, sendo 8% na África e 9% na Índia. Mesmo as fabricantes mais ambiciosas da Europa, como a Volkswagen, estão preparadas para produzir poucos veículos elétricos nesses mercados emergentes chave.

As conclusões partiram de uma avaliação do engajamento climático de doze montadoras comparado aos indicadores de produção futura dessas empresas reunidos pela consultoria IHS Markit até 2029. Esse desempenho foi analisado em relação ao cenário de 1,5°C indicado pela Agência Internacional de Energia (AIE) para descarbonizar o setor de transportes.
 
Todas as doze empresas analisadas para esta pesquisa declararam publicamente seu apoio ao Acordo de Paris, mas apenas uma – Tesla – está engajada com uma política alinhada com os objetivos do acordo. Apenas duas – Tesla (100%) e Mercedes-Benz (56%) – estão executando uma transição para veículos elétricos a bateria (BEV) com a rapidez necessária para atender ao caminho de 1,5°C da AIE até 2029.
 
Ao analisar as previsões de produção de veículos, o relatório identifica uma ligação clara entre o engajamento das montadoras na política climática e as estratégias de produção. A Toyota, por exemplo, tem o engajamento mais negativo da política climática de todas as doze montadoras analisadas. Ela também tem o nível mais baixo de produção prevista de BEV.
 
“Esta pesquisa mostra que os mais atrasados são também os mais negativos quando se trata de defesa da política climática”, avalia Ben Youriev, analista sênior da InfluenceMap. “Quase todas as montadoras estão falhando em acompanhar a transição para emissões zero”.
 
Enormes diferenças regionais
 
Na União Europeia (UE), que tem algumas das políticas mais ambiciosas para descarbonizar o setor de transportes, os dados da IHS Markit mostram que 59% da produção local está prevista para ser veículos elétricos a bateria até 2029. Ainda assim, algumas montadoras como a BMW ainda lideram os esforços contra uma meta de emissões zero até 2035 proposta pela UE.
 
Os resultados dos Estados Unidos são quase uma completa inversão do cenário da União Europeia. Apenas duas montadoras de automóveis - Tesla (100%) e Volkswagen (57%) – planejam produzir veículos elétricos a bateria suficientes nos EUA para atingir a meta da AIE. Embora haja uma mudança limitada de veículos com motor de combustão interna para veículos elétricos, 65% dos veículos leves produzidos nos EUA ainda serão movidos por motores de combustão até 2029.
 
Por exemplo, 49% da frota da Toyota produzida na UE será de veículos elétricos a bateria até 2029, enquanto nos Estados Unidos é de apenas 4%. Ford (36%) e General Motors (28%) devem permanecer atrás das exigências do cenário de 1,5°C da AIE em sua produção mundial para veículos elétricos a bateria. Entretanto, a produção da Ford baseada na UE está prevista para 65% até 2029.
 
O que explica essas diferenças de atuação, segundo o estudo, é uma forte correlação entre a política governamental de eliminar gradualmente os veículos de passageiros com motor a combustão e a produção local de carros elétricos a bateria. Nos países onde a legislação está mais adiantada, haverá mais veículos elétricos. Ao mesmo tempo, a maioria dos fabricantes de automóveis está engajada negativamente na política climática.
 
8 das 12 montadoras analisadas pontuaram um 'D+' ou abaixo no sistema de medição A-to-F do InfluenceMap em relação ao compromisso com as metas do Acordo de Paris. Segundo o estudo, essas montadoras se opuseram estrategicamente às políticas projetadas para regular e/ou eliminar progressivamente os veículos a combustão
 
A Toyota é a montadora com a menor pontuação. Tesla (B) é o único fabricante de automóveis considerado como amplamente favorável à política climática alinhada com Paris, representando o claro líder do setor. As três empresas restantes – Volkswagen (C), Ford (C-) e General Motors(C-) – mostram um engajamento de política climática mista.
 
As associações industriais que representam montadoras nas principais regiões (EUA, UE, Alemanha, Japão e Reino Unido) têm um engajamento altamente negativo na política climática e são estrategicamente empregadas pelas montadoras para liderar esforços globais negativos de defesa contra a legislação climática.
 
“O último relatório do IPCC é claro que uma rápida ampliação dos veículos elétricos a bateria é fundamental para atingir as metas globais de mudança climática. No entanto, esta pesquisa destaca como os principais fabricantes de automóveis continuam entre os maiores opositores da política climática global”, conclui Youriev.
  
Das doze montadoras analisadas pelo estudo, onze fizeram anúncio de seus compromissos climáticos. Estão reunidos abaixo:
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
;
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp