34 visualizações

Tribunal boliviano permite a Evo Morales se candidatar a um 4º mandato presidencial

O presidente da Bolívia, Juan Evo Morales Ayma, Evo Morales, recebeu na terça-feira (28) o aval do Tribunal Constitucional para se candidatar a um quarto mandato consecutivo (2020-2025), apesar do referendo que lhe negou essa possibilidade no ano passado.

 

A decisão, adotada por unanimidade, considera que o direito humano a se candidatar livremente a um cargo prevalece sobre as limitações da Constituição. A Carta Magna boliviana, promulgada pelo próprio Morales em 2009, só permite às autoridades uma reeleição consecutiva.

 

Segundo o presidente do TC, Macário Lahor Cortez, a Convenção Americana sobre os Direitos Humanos, tem maior peso do que as normas constitucionais. Sua decisão “está justamente, habilitando essas pessoas (autoridades) a se postularem, porque definitivamente quem elege é o povo boliviano”, explicou.

 

A norma beneficia o presidente, o vice-presidente, 154 legisladores, 9 governadores, 339 prefeitos e 3.500 conselheiros.

 

A decisão abre caminho para Morales se candidatar a um quarto mandato, no período 2020-2025, no que a oposição denuncia como um golpe na democracia.

 

O governante Movimento Ao Socialismo (MAS) apresentou em Setembro um recurso ao TC para que declare inaplicáveis os artigos da Constituição que limitavam a reeleição.

 

Morales começou a governar em 2006 e em 2009 modificou a Constituição, onde ficou estabelecido que um presidente só poderia governar por dois períodos consecutivos.

 

Entretanto, para habilitar sua candidatura para 2010-2015, pediu ao TC que interprete a lei, para que esse período seja considerado o primeiro sob uma nova Carta Magna. Por essa mesma lógica, seu segundo período sob a nova Constituição é o atual 2015-2020. Em todas as eleições Morales ganhou por ampla maioria.

 

Apesar da alta popularidade, em fevereiro do ano passado perdeu um referendo em que buscava reformar a Constituição e habilitar-se para se candidatar ao período 2020-2025. Agora Morales tem o caminho livre para ir para o quarto mandato, enquanto a oposição denunciou que a lei está sendo violada e que está dando um golpe na democracia.

 

“Isto vai permitir a reeleição indefinida” de Morales, disse à AFP o analista Carlos Cordero, professor da universidade Mayor de San Andrés.

 

Segundo Cordero, “é a demonstração clara de que os tribunais de justiça bolivianos estão subordinados ao poder” de Morales.

 

O professor destacou que “não existe instância legal de apelação”, já que o Tribunal Constitucional é a máxima autoridade na matéria.

 

O líder opositor Samuel Doria Medina comparou a situação da Bolívia com a da Venezuela e Morales ao presidente Nicolas Maduro. “Estão no mesmo caminho, só interessa eternizar-se no poder, não importa se destroem seus países, são os golpistas de hoje”.

O presidente da Bolívia, Juan Evo Morales Ayma, Evo Morales, recebeu na terça-feira (28) o aval do Tribunal Constitucional para se candidatar a um quarto mandato consecutivo (2020-2025), apesar do referendo que lhe negou essa possibilidade no ano passado.

 

A decisão, adotada por unanimidade, considera que o direito humano a se candidatar livremente a um cargo prevalece sobre as limitações da Constituição. A Carta Magna boliviana, promulgada pelo próprio Morales em 2009, só permite às autoridades uma reeleição consecutiva.

 

Segundo o presidente do TC, Macário Lahor Cortez, a Convenção Americana sobre os Direitos Humanos, tem maior peso do que as normas constitucionais. Sua decisão “está justamente, habilitando essas pessoas (autoridades) a se postularem, porque definitivamente quem elege é o povo boliviano”, explicou.

 

A norma beneficia o presidente, o vice-presidente, 154 legisladores, 9 governadores, 339 prefeitos e 3.500 conselheiros.

 

A decisão abre caminho para Morales se candidatar a um quarto mandato, no período 2020-2025, no que a oposição denuncia como um golpe na democracia.

 

O governante Movimento Ao Socialismo (MAS) apresentou em Setembro um recurso ao TC para que declare inaplicáveis os artigos da Constituição que limitavam a reeleição.

 

Morales começou a governar em 2006 e em 2009 modificou a Constituição, onde ficou estabelecido que um presidente só poderia governar por dois períodos consecutivos.

 

Entretanto, para habilitar sua candidatura para 2010-2015, pediu ao TC que interprete a lei, para que esse período seja considerado o primeiro sob uma nova Carta Magna. Por essa mesma lógica, seu segundo período sob a nova Constituição é o atual 2015-2020. Em todas as eleições Morales ganhou por ampla maioria.

 

Apesar da alta popularidade, em fevereiro do ano passado perdeu um referendo em que buscava reformar a Constituição e habilitar-se para se candidatar ao período 2020-2025. Agora Morales tem o caminho livre para ir para o quarto mandato, enquanto a oposição denunciou que a lei está sendo violada e que está dando um golpe na democracia.

 

“Isto vai permitir a reeleição indefinida” de Morales, disse à AFP o analista Carlos Cordero, professor da universidade Mayor de San Andrés.

 

Segundo Cordero, “é a demonstração clara de que os tribunais de justiça bolivianos estão subordinados ao poder” de Morales.

 

O professor destacou que “não existe instância legal de apelação”, já que o Tribunal Constitucional é a máxima autoridade na matéria.

 

O líder opositor Samuel Doria Medina comparou a situação da Bolívia com a da Venezuela e Morales ao presidente Nicolas Maduro. “Estão no mesmo caminho, só interessa eternizar-se no poder, não importa se destroem seus países, são os golpistas de hoje”.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]