Relator de investigação sobre Temer no STF intima Segovia a explicar declarações

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), intimou o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, a explicar declarações dadas em entrevista sobre investigação referente ao presidente Michel Temer (MDB).

 

Em entrevista à agência Reuters, Segovia disse que a tendência na PF é recomendar o arquivamento da investigação, na qual Temer é suspeito de beneficiar a empresa Rodrimar em um decreto que renovou concessões no Porto de Santos.

 

A agência Reuters divulgou entrevista na qual Segovia afirma que não vê prova contra Temer no inquérito sobre o decreto dos portos e deve pedir arquivamento da investigação.

 

No sábado (10), o grupo de delegados da Lava Jato criticou as declarações do chefe da PF e diz que não as referenda.

 

O ministro do STF responsável pelo inquérito dos portos, Luís Barroso, intimou Segovia a prestar esclarecimentos.

 

Segovia divulgou carta em que nega ter falado em arquivamento e diz que investigação sobre Temer não sofre interferência.

 

À TV Globo, Segovia disse, por telefone, que vai comparecer ao gabinete do ministro Barroso, levando a transcrição da entrevista à Reuters, e vai dizer que suas declarações foram mal interpretadas pela imprensa.

 

Ele disse que não tem, nem teve a intenção de interferir na investigação ou no trabalho do delegado. Em carta a servidores da PF, Segovia negou ter dito que o inquérito será arquivado e disse que a equipe responsável pelo caso tem “toda a autonomia e isenção”.

 

Para Barroso, no entanto, a conduta de Segovia na entrevista “é manifestamente imprópria e pode, em tese, caracterizar infração administrativa e até mesmo penal”.

 

O ministro entendeu que na entrevista o diretor da PF ameaçou o delegado responsável pelo caso, “que deve ter autonomia para desenvolver o seu trabalho com isenção e livre de pressões”.

 

Considerou também que a investigação ainda tem diversas diligências pendentes, “razão pela qual não devem ser objeto de comentários públicos” e que, no inquérito, ainda não há relatório final do delegado Cleyber Malta Lopes, responsável pela apuração, nem parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR), que conduz a investigação.

 

Barroso determinou, na intimação, que, além de prestar esclarecimentos, Segovia deverá se abster de novas manifestações sobre o caso.

 

Delegados do grupo de inquéritos da Operação Lava Jato reagiram à fala de Segovia. Em troca de mensagens em grupo de WhatsApp, investigadores disseram que as declarações de Segovia são manifestação pessoal e de responsabilidade dele.

 

A mensagem diz, ainda, que ninguém da equipe de investigação foi consultado ou referendou essa manifestação.

 

“Ninguém da equipe de investigação foi consultado ou referenda essa manifestação, inclusive pelo fato de que em três anos de Lava Jato no STF nunca houve uma antecipação ou presunção de resultado de investigação pela imprensa”, diz a mensagem.

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), intimou o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, a explicar declarações dadas em entrevista sobre investigação referente ao presidente Michel Temer (MDB).

 

Em entrevista à agência Reuters, Segovia disse que a tendência na PF é recomendar o arquivamento da investigação, na qual Temer é suspeito de beneficiar a empresa Rodrimar em um decreto que renovou concessões no Porto de Santos.

 

A agência Reuters divulgou entrevista na qual Segovia afirma que não vê prova contra Temer no inquérito sobre o decreto dos portos e deve pedir arquivamento da investigação.

 

No sábado (10), o grupo de delegados da Lava Jato criticou as declarações do chefe da PF e diz que não as referenda.

 

O ministro do STF responsável pelo inquérito dos portos, Luís Barroso, intimou Segovia a prestar esclarecimentos.

 

Segovia divulgou carta em que nega ter falado em arquivamento e diz que investigação sobre Temer não sofre interferência.

 

À TV Globo, Segovia disse, por telefone, que vai comparecer ao gabinete do ministro Barroso, levando a transcrição da entrevista à Reuters, e vai dizer que suas declarações foram mal interpretadas pela imprensa.

 

Ele disse que não tem, nem teve a intenção de interferir na investigação ou no trabalho do delegado. Em carta a servidores da PF, Segovia negou ter dito que o inquérito será arquivado e disse que a equipe responsável pelo caso tem “toda a autonomia e isenção”.

 

Para Barroso, no entanto, a conduta de Segovia na entrevista “é manifestamente imprópria e pode, em tese, caracterizar infração administrativa e até mesmo penal”.

 

O ministro entendeu que na entrevista o diretor da PF ameaçou o delegado responsável pelo caso, “que deve ter autonomia para desenvolver o seu trabalho com isenção e livre de pressões”.

 

Considerou também que a investigação ainda tem diversas diligências pendentes, “razão pela qual não devem ser objeto de comentários públicos” e que, no inquérito, ainda não há relatório final do delegado Cleyber Malta Lopes, responsável pela apuração, nem parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR), que conduz a investigação.

 

Barroso determinou, na intimação, que, além de prestar esclarecimentos, Segovia deverá se abster de novas manifestações sobre o caso.

 

Delegados do grupo de inquéritos da Operação Lava Jato reagiram à fala de Segovia. Em troca de mensagens em grupo de WhatsApp, investigadores disseram que as declarações de Segovia são manifestação pessoal e de responsabilidade dele.

 

A mensagem diz, ainda, que ninguém da equipe de investigação foi consultado ou referendou essa manifestação.

 

“Ninguém da equipe de investigação foi consultado ou referenda essa manifestação, inclusive pelo fato de que em três anos de Lava Jato no STF nunca houve uma antecipação ou presunção de resultado de investigação pela imprensa”, diz a mensagem.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]