75 visualizações

Redes sociais questionam repercussão após atentado na Somália

Comentários apontam para a diferença na forma como o mundo está reagindo a esse ataque e como respondeu a outros, ocorridos na Europa e nos EUA.

 

No sábado (14), um ataque terrorista com caminhão-bomba em Mogadíscio, na Somália, matou 300 pessoas e deixou outras 200 feridas. Não só foi o pior atentado terrorista na história do país africano, mas também um dos mais mortais enfrentados por qualquer outra nação do mundo.

 

Contudo, muitas pessoas nas redes sociais questionaram a atenção dada à tragédia por outros internautas e pela imprensa. Os comentários apontam para a diferença na forma como o mundo está reagindo a esse ataque e como respondeu a outros, que ocorreram na Europa e nos Estados Unidos.

 

Nos últimos dias, hashtags como #IAmMogadishu (Eu sou Mogadíscio) ou #PrayForSomalia (Rezem pela Somália) foram usadas em todo o mundo, mas não figuraram entre os assuntos mais comentados do Twitter, como aconteceu em outros ataques. “A explosão de Mogadíscio não é nem trending [no Twitter]… África você está por conta própria…”, tuitou um usuário.

 

Depois de ataques em Paris, Nice, Berlim, Orlando, Manchester, Londres e Las Vegas, hashtags como #PrayforLondon (Rezem por Londres) ou #JeSuisParis (Eu sou Paris) rapidamente se espalharam pelas redes sociais. Agora, os internautas se perguntam por que foi registrado pouco apoio para as vítimas da Somália, apesar da cifra inacreditável de mortos.

 

Segundo a ferramenta de gestão de redes sociais Sprout Social, a hashtags #PrayForSomalia foi mencionada em no máximo 25.000 tuites por dia entre 14 e 17 de Outubro. Já #PrayForLasVegas foi usada quase 250.000 vezes nos dias após o atentado do início do mês na cidade estadunidense.

Comentários apontam para a diferença na forma como o mundo está reagindo a esse ataque e como respondeu a outros, ocorridos na Europa e nos EUA.

 

No sábado (14), um ataque terrorista com caminhão-bomba em Mogadíscio, na Somália, matou 300 pessoas e deixou outras 200 feridas. Não só foi o pior atentado terrorista na história do país africano, mas também um dos mais mortais enfrentados por qualquer outra nação do mundo.

 

Contudo, muitas pessoas nas redes sociais questionaram a atenção dada à tragédia por outros internautas e pela imprensa. Os comentários apontam para a diferença na forma como o mundo está reagindo a esse ataque e como respondeu a outros, que ocorreram na Europa e nos Estados Unidos.

 

Nos últimos dias, hashtags como #IAmMogadishu (Eu sou Mogadíscio) ou #PrayForSomalia (Rezem pela Somália) foram usadas em todo o mundo, mas não figuraram entre os assuntos mais comentados do Twitter, como aconteceu em outros ataques. “A explosão de Mogadíscio não é nem trending [no Twitter]… África você está por conta própria…”, tuitou um usuário.

 

Depois de ataques em Paris, Nice, Berlim, Orlando, Manchester, Londres e Las Vegas, hashtags como #PrayforLondon (Rezem por Londres) ou #JeSuisParis (Eu sou Paris) rapidamente se espalharam pelas redes sociais. Agora, os internautas se perguntam por que foi registrado pouco apoio para as vítimas da Somália, apesar da cifra inacreditável de mortos.

 

Segundo a ferramenta de gestão de redes sociais Sprout Social, a hashtags #PrayForSomalia foi mencionada em no máximo 25.000 tuites por dia entre 14 e 17 de Outubro. Já #PrayForLasVegas foi usada quase 250.000 vezes nos dias após o atentado do início do mês na cidade estadunidense.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]