40 visualizações

Por 39 votos a 19, Alerj anula prisão de Picciani e dois deputados

Os deputados estaduais do Rio de Janeiro determinaram, em sessão extraordinária realizada na sexta-feira (17), a anulação das prisões dos colegas Jorge Sayeda Picciani, Paulo César de Melo Sá e Edson Albertassi, todos do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). A votação foi aberta e marcada por 39 votos favoráveis à revogação e 19 contrários.

 

“Não podemos nos vergar e deixar de cumprir o que a Constituição determina. Vamos ter desgaste eleitoral, não tenham dúvida, mas quero dormir com a consciência tranquila”, disse, o deputado André Corrêa, favorável à anulação.

 

Contrário à soltura, o deputado Marcelo Freixo do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) se manifestou via Twitter: “A prisão preventiva aconteceu. E temos aqui a peça jurídica, que é robusta. Não cabe a essa casa substituir o Judiciário. É verdade também que o direito de defesa tem que ser garantido a qualquer um. Ontem o Tribunal votou por 5 votos a 0 a prisão da cúpula do PMDB. Por lavagem de dinheiro, corrupção e organização criminosa. A denúncia é muito grave”, publicou.

 

“Não estamos falando de algo irrelevante para o Rio de Janeiro. Não é algo irrelevante para os aposentados que estão sem receber, para a crise da Segurança Pública, para a crise da educação e da saúde. Pode o Legislativo anular uma decisão sem assumir que esse é um debate político? Fraude, propina, superfaturamento de contratos, é disso que trata a denúncia”, prosseguiu em sequência de posts.

 

Picciani, Albertassi e Melo receberam ordem de prisão na quinta-feira (16) por suposto envolvimento em esquema de corrupção envolvendo o setor de transportes públicos no Rio de Janeiro.

Os deputados estaduais do Rio de Janeiro determinaram, em sessão extraordinária realizada na sexta-feira (17), a anulação das prisões dos colegas Jorge Sayeda Picciani, Paulo César de Melo Sá e Edson Albertassi, todos do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). A votação foi aberta e marcada por 39 votos favoráveis à revogação e 19 contrários.

 

“Não podemos nos vergar e deixar de cumprir o que a Constituição determina. Vamos ter desgaste eleitoral, não tenham dúvida, mas quero dormir com a consciência tranquila”, disse, o deputado André Corrêa, favorável à anulação.

 

Contrário à soltura, o deputado Marcelo Freixo do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) se manifestou via Twitter: “A prisão preventiva aconteceu. E temos aqui a peça jurídica, que é robusta. Não cabe a essa casa substituir o Judiciário. É verdade também que o direito de defesa tem que ser garantido a qualquer um. Ontem o Tribunal votou por 5 votos a 0 a prisão da cúpula do PMDB. Por lavagem de dinheiro, corrupção e organização criminosa. A denúncia é muito grave”, publicou.

 

“Não estamos falando de algo irrelevante para o Rio de Janeiro. Não é algo irrelevante para os aposentados que estão sem receber, para a crise da Segurança Pública, para a crise da educação e da saúde. Pode o Legislativo anular uma decisão sem assumir que esse é um debate político? Fraude, propina, superfaturamento de contratos, é disso que trata a denúncia”, prosseguiu em sequência de posts.

 

Picciani, Albertassi e Melo receberam ordem de prisão na quinta-feira (16) por suposto envolvimento em esquema de corrupção envolvendo o setor de transportes públicos no Rio de Janeiro.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]