74 visualizações

Mulher que matou companheira dentro de lava-rápido em Jarinu se entrega à polícia

Mulher que matou companheira a facadas dentro de um lava-rápido em Jarinu – SP se apresentou à polícia na noite de quarta-feira (27). Uma câmera de segurança registrou a ação.

 

Patrícia Pereira Rodrigues, de 44 anos, havia fugido desde o dia do crime, na terça-feira (26). Janaína da Silva, de 25 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

 

Ela foi morta com três facadas dadas pela companheira, com quem viveu há seis anos. O crime ocorreu no comércio onde a vítima trabalhava.

 

Segundo o investigador-chefe Luiz Roberto Gomes, Patrícia se apresentou espontaneamente em uma delegacia de Campinas – SP durante a noite de quarta-feira e foi levada para a delegacia de Jarinu durante a madrugada da quinta-feira (28), onde foi ouvida e liberada.

 

No depoimento à polícia, Patrícia Pereira disse que sua companheira estava agressiva ultimamente, pois sofria de esquizofrenia e teria parado de tomar remédio controlado.

 

Ainda conforme o investigador, Patrícia foi ao trabalho de Janaína para conversar sobre um desentendimento que elas tiveram na noite de Natal, um dia antes do crime, quando a vítima deu fim ao relacionamento das duas.

 

Ainda conforme relato da suspeita, as mulheres começaram a brigar e se agredir dentro do lava-rápido. Patrícia disse que a golpeou com faca para se defender. Janaína foi ferida no peito, pescoço e costas.

 

A polícia informou que a suspeita levou as duas facas usadas no crime quando foi conversar com a companheira.

 

Como não houve flagrante e não há mandado de prisão expedido pela Justiça, Patrícia foi liberada. A mulher também disse que “está muito arrependida de ter tirado a vida de sua companheira”, informou a polícia.

 

Após desentendimento na noite de Natal, a vítima saiu da casa onde morava havia seis anos com a companheira e foi dormir na casa do irmão, relatou o investigador-chefe Luiz Roberto Gomes.

 

Por causa do fim do relacionamento proposto pela vítima, Patrícia chegou a vender os móveis da casa.

 

De acordo com a Polícia Civil, as equipes foram até a residência de Patrícia e se depararam com o imóvel vazio. O delegado Osmany Machado Júnior, responsável pelo caso, acredita que o crime foi premeditado.

 

“Ainda estamos investigando, mas tudo aponta que o motivo do crime seja ciúmes. A família da vítima recebeu informações de que a Patrícia tinha vendido os móveis e pegado o dinheiro antes da confusão. Confirmamos quando chegamos lá e ela já não estava mais”, conta.

 

A família da vítima disse à investigação que as duas mulheres tinham um relacionamento conturbado. Em depoimento, a suspeita informou que a família da vítima era contra a relação delas.

Mulher que matou companheira a facadas dentro de um lava-rápido em Jarinu – SP se apresentou à polícia na noite de quarta-feira (27). Uma câmera de segurança registrou a ação.

 

Patrícia Pereira Rodrigues, de 44 anos, havia fugido desde o dia do crime, na terça-feira (26). Janaína da Silva, de 25 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

 

Ela foi morta com três facadas dadas pela companheira, com quem viveu há seis anos. O crime ocorreu no comércio onde a vítima trabalhava.

 

Segundo o investigador-chefe Luiz Roberto Gomes, Patrícia se apresentou espontaneamente em uma delegacia de Campinas – SP durante a noite de quarta-feira e foi levada para a delegacia de Jarinu durante a madrugada da quinta-feira (28), onde foi ouvida e liberada.

 

No depoimento à polícia, Patrícia Pereira disse que sua companheira estava agressiva ultimamente, pois sofria de esquizofrenia e teria parado de tomar remédio controlado.

 

Ainda conforme o investigador, Patrícia foi ao trabalho de Janaína para conversar sobre um desentendimento que elas tiveram na noite de Natal, um dia antes do crime, quando a vítima deu fim ao relacionamento das duas.

 

Ainda conforme relato da suspeita, as mulheres começaram a brigar e se agredir dentro do lava-rápido. Patrícia disse que a golpeou com faca para se defender. Janaína foi ferida no peito, pescoço e costas.

 

A polícia informou que a suspeita levou as duas facas usadas no crime quando foi conversar com a companheira.

 

Como não houve flagrante e não há mandado de prisão expedido pela Justiça, Patrícia foi liberada. A mulher também disse que “está muito arrependida de ter tirado a vida de sua companheira”, informou a polícia.

 

Após desentendimento na noite de Natal, a vítima saiu da casa onde morava havia seis anos com a companheira e foi dormir na casa do irmão, relatou o investigador-chefe Luiz Roberto Gomes.

 

Por causa do fim do relacionamento proposto pela vítima, Patrícia chegou a vender os móveis da casa.

 

De acordo com a Polícia Civil, as equipes foram até a residência de Patrícia e se depararam com o imóvel vazio. O delegado Osmany Machado Júnior, responsável pelo caso, acredita que o crime foi premeditado.

 

“Ainda estamos investigando, mas tudo aponta que o motivo do crime seja ciúmes. A família da vítima recebeu informações de que a Patrícia tinha vendido os móveis e pegado o dinheiro antes da confusão. Confirmamos quando chegamos lá e ela já não estava mais”, conta.

 

A família da vítima disse à investigação que as duas mulheres tinham um relacionamento conturbado. Em depoimento, a suspeita informou que a família da vítima era contra a relação delas.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]