MPL faz 1º protesto contra tarifa de R$ 4 no transporte de São Paulo

Cinco dias após o início da cobrança da tarifa de R$ 4 no transporte público de São Paulo – SP, o Movimento Passe Livre (MPL) faz na quinta-feira (11) o primeiro protesto contra o aumento do preço das passagens de ônibus, metrô e trem na capital paulista.

 

O início do ato está marcado para as 17h na Praça Ramos de Azevedo, em frente ao Theatro Municipal, no centro de São Paulo. O local fica a poucos metros da sede da Prefeitura. Até a noite da quarta-feira (10) cerca de 8,9 mil pessoas haviam confirmado presença na manifestação na página do MPL no Facebook. O trajeto ainda não foi revelado.

 

“Querem nos fazer pagar ainda mais caro pelo que nem deveríamos pagar e não é possível aceitar pacificamente a existência de outro aumento”, afirma o movimento na rede social. Segundo os organizadores, outras 15 cidades de seis Estados, como Goiás, Pernambuco e Rio de Janeiro, também terão protestos contra o aumento nas tarifas a partir desta semana.

 

Em São Paulo, as passagens subiram de R$ 3,80 para R$ 4 no último domingo (7). O reajuste, de 5,26%, foi anunciado de forma conjunta pelas gestões do prefeito da capital, João Agripino da Costa Doria Junior, João Doria, e do governador Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, Geraldo Alckmin, ambos do PSDB.

 

O MPL foi criado em 2005 com a bandeira da “tarifa zero”, defendendo gratuidade total do transporte coletivo. O movimento, porém, só ganhou expressão em 2013, quando organizou os atos contra o aumento de R$ 0,20 no valor da tarifa em São Paulo (de R$ 3 para R$ 3,20 na ocasião), que acabaram se espalhando por todo o País depois do aumento da repressão policial aos protestos.

Cinco dias após o início da cobrança da tarifa de R$ 4 no transporte público de São Paulo – SP, o Movimento Passe Livre (MPL) faz na quinta-feira (11) o primeiro protesto contra o aumento do preço das passagens de ônibus, metrô e trem na capital paulista.

 

O início do ato está marcado para as 17h na Praça Ramos de Azevedo, em frente ao Theatro Municipal, no centro de São Paulo. O local fica a poucos metros da sede da Prefeitura. Até a noite da quarta-feira (10) cerca de 8,9 mil pessoas haviam confirmado presença na manifestação na página do MPL no Facebook. O trajeto ainda não foi revelado.

 

“Querem nos fazer pagar ainda mais caro pelo que nem deveríamos pagar e não é possível aceitar pacificamente a existência de outro aumento”, afirma o movimento na rede social. Segundo os organizadores, outras 15 cidades de seis Estados, como Goiás, Pernambuco e Rio de Janeiro, também terão protestos contra o aumento nas tarifas a partir desta semana.

 

Em São Paulo, as passagens subiram de R$ 3,80 para R$ 4 no último domingo (7). O reajuste, de 5,26%, foi anunciado de forma conjunta pelas gestões do prefeito da capital, João Agripino da Costa Doria Junior, João Doria, e do governador Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, Geraldo Alckmin, ambos do PSDB.

 

O MPL foi criado em 2005 com a bandeira da “tarifa zero”, defendendo gratuidade total do transporte coletivo. O movimento, porém, só ganhou expressão em 2013, quando organizou os atos contra o aumento de R$ 0,20 no valor da tarifa em São Paulo (de R$ 3 para R$ 3,20 na ocasião), que acabaram se espalhando por todo o País depois do aumento da repressão policial aos protestos.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]