217 visualizações

Motorista que estourar pontos na CNH será suspenso por ao menos 6 meses

Os motoristas que estourarem 20 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) a partir da quarta-feira (1º) terão de cumprir no mínimo seis meses de suspensão. A nova regra vale para infrações cometidas a partir do dia 1º de novembro de 2016.

 

Atualmente, um motorista fica suspenso no mínimo por um mês. O prazo máximo continuará sendo de 12 meses. O tempo total de suspensão depende do histórico do condutor e da gravidade das infrações cometidas.

 

A suspensão maior entrou em vigor em novembro do ano passado, por meio de uma lei que alterou o Código Brasileiro de Trânsito (CTB), mas só terá efeito em processos a partir da quarta-feira, pois o motorista é punido ao somar 20 pontos ou mais em um período de 12 meses a contar da primeira infração da pontuação.

 

Os motoristas que forem suspensos com infrações cometidas antes de 1º de novembro de 2016 serão punidos pela regra antiga (mínimo de um mês sem poder dirigir). Para isso, basta ter apenas uma multa antes do prazo da nova regra. Por exemplo: um condutor que recebeu a primeira multa no dia 31 de outubro de 2016 e as restantes após 1º de novembro do ano passado vai cumprir a suspensão pelo prazo antigo.

 

Também vai aumentar o prazo mínimo para o motorista que estourar os 20 pontos mais de uma vez em um ano. Hoje, a suspensão mínima é de seis meses. A partir da quarta, passará a ser de oito meses. A pena máxima continuará em 24 meses.

 

O condutor que soma 20 pontos na CNH é notificado pelo Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) e pode apresentar defesa em várias instâncias. A suspensão começa a valer quando o motorista entrega a habilitação ao DETRAN. Depois de cumprir o prazo, deve fazer um curso de reciclagem e, se passar em uma prova, receberá a habilitação de volta.

Os motoristas que estourarem 20 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) a partir da quarta-feira (1º) terão de cumprir no mínimo seis meses de suspensão. A nova regra vale para infrações cometidas a partir do dia 1º de novembro de 2016.

 

Atualmente, um motorista fica suspenso no mínimo por um mês. O prazo máximo continuará sendo de 12 meses. O tempo total de suspensão depende do histórico do condutor e da gravidade das infrações cometidas.

 

A suspensão maior entrou em vigor em novembro do ano passado, por meio de uma lei que alterou o Código Brasileiro de Trânsito (CTB), mas só terá efeito em processos a partir da quarta-feira, pois o motorista é punido ao somar 20 pontos ou mais em um período de 12 meses a contar da primeira infração da pontuação.

 

Os motoristas que forem suspensos com infrações cometidas antes de 1º de novembro de 2016 serão punidos pela regra antiga (mínimo de um mês sem poder dirigir). Para isso, basta ter apenas uma multa antes do prazo da nova regra. Por exemplo: um condutor que recebeu a primeira multa no dia 31 de outubro de 2016 e as restantes após 1º de novembro do ano passado vai cumprir a suspensão pelo prazo antigo.

 

Também vai aumentar o prazo mínimo para o motorista que estourar os 20 pontos mais de uma vez em um ano. Hoje, a suspensão mínima é de seis meses. A partir da quarta, passará a ser de oito meses. A pena máxima continuará em 24 meses.

 

O condutor que soma 20 pontos na CNH é notificado pelo Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) e pode apresentar defesa em várias instâncias. A suspensão começa a valer quando o motorista entrega a habilitação ao DETRAN. Depois de cumprir o prazo, deve fazer um curso de reciclagem e, se passar em uma prova, receberá a habilitação de volta.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]