52 visualizações

Ministério Público Estadual pede condenação de secretários de Doria por favorecimento de empresa no carnaval

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu a condenação e a suspensão dos direitos políticos de três secretários do prefeito João Agripino da Costa Doria Junior, João Doria (PSDB). São eles: André Luiz Pompeia Sturm, da Cultura, Júlio Francisco Semeghini Neto e Bruno Covas Lopes, ambos da secretaria de governo.

 

Eles são acusados de interferir na licitação de contratação do carnaval de rua de 2017. Na concorrência, a empresa que ganhasse teria o direito de explorar a venda de bebida alcóolica e fazer propaganda pelas ruas de São Paulo durante o carnaval. Em troca, daria dinheiro para a prefeitura.

 

Os promotores dizem que os três secretários pediram para a empresa Dream Factory aumentar o valor da proposta para vencer a licitação. Inicialmente, a Dream Factory ofereceu R$ 2 milhões e 600 mil contra R$ 4 milhões e cem mil da Srcom.

 

A proposta da Srcom foi considerada pela Secretaria de Justiça a mais vantajosa, mas não levou o contrato. Em reuniões em janeiro de 2017, os secretários e outros representantes da prefeitura pediram à Dream Factory que a proposta subisse para R$ 15 milhões de reais. A empresa aceitou e ganhou a licitação.

 

Para o Ministério Público Estadual, isso é direcionamento ilegal do processo de chamamento público a favor de uma empresa. Os promotores pediram a anulação do resultado e a punição dos envolvidos.

 

Em nota, a prefeitura disse que não foi citada na ação movida pelo MPE, nem notificada para apresentar defesa prévia, mas afirma que não houve nada de irregular na conduta dos secretários e que o procedimento adotado respeitou os princípios norteadores da Lei Federal de Licitações.

 

A Dream Factory disse que cumpriu integralmente os termos do chamamento público que teve início em 2016 e que desde o começo apresentou a proposta de R$ 15 milhões.

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu a condenação e a suspensão dos direitos políticos de três secretários do prefeito João Agripino da Costa Doria Junior, João Doria (PSDB). São eles: André Luiz Pompeia Sturm, da Cultura, Júlio Francisco Semeghini Neto e Bruno Covas Lopes, ambos da secretaria de governo.

 

Eles são acusados de interferir na licitação de contratação do carnaval de rua de 2017. Na concorrência, a empresa que ganhasse teria o direito de explorar a venda de bebida alcóolica e fazer propaganda pelas ruas de São Paulo durante o carnaval. Em troca, daria dinheiro para a prefeitura.

 

Os promotores dizem que os três secretários pediram para a empresa Dream Factory aumentar o valor da proposta para vencer a licitação. Inicialmente, a Dream Factory ofereceu R$ 2 milhões e 600 mil contra R$ 4 milhões e cem mil da Srcom.

 

A proposta da Srcom foi considerada pela Secretaria de Justiça a mais vantajosa, mas não levou o contrato. Em reuniões em janeiro de 2017, os secretários e outros representantes da prefeitura pediram à Dream Factory que a proposta subisse para R$ 15 milhões de reais. A empresa aceitou e ganhou a licitação.

 

Para o Ministério Público Estadual, isso é direcionamento ilegal do processo de chamamento público a favor de uma empresa. Os promotores pediram a anulação do resultado e a punição dos envolvidos.

 

Em nota, a prefeitura disse que não foi citada na ação movida pelo MPE, nem notificada para apresentar defesa prévia, mas afirma que não houve nada de irregular na conduta dos secretários e que o procedimento adotado respeitou os princípios norteadores da Lei Federal de Licitações.

 

A Dream Factory disse que cumpriu integralmente os termos do chamamento público que teve início em 2016 e que desde o começo apresentou a proposta de R$ 15 milhões.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]