62 visualizações

Governo corteja Doria e libera recursos para São Paulo

Enquanto o governador de São Paulo, Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, Geraldo Alckmin (PSDB), enfrenta dificuldades para conseguir do governo federal a liberação de recursos para as obras do Rodoanel, o prefeito da capital, João Doria Junior (PSDB), recebe de ministros a garantia de investimentos na administração municipal.

 

Após um jantar reservado de duas horas na terça-feira (17) com o presidente Michel Miguel Elias Temer Lulia, Michel Temer (PMDB), Doria disse que um dos temas tratados foi uma linha de crédito bilionária do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para um programa de asfaltamento das ruas da cidade.

 

“Tratamos do empréstimo do BNDES para o asfalto no valor de R$ 1 bilhão, que vai sair. Está bem avançado. Vai ser aprovado antes do fim do ano e no começo do ano que vem (o programa) será colocado em prática”, disse Doria.

 

Do ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho (DEM), o prefeito ouviu a promessa de liberação de R$ 162 milhões para a construção de 22 creches e três Centros Educacionais Unificados (CEUs) na cidade. No fim do encontro, Doria gravou um vídeo ao lado do ministro falando do investimento.

 

Na mesma linha, o ministro das Cidades, Bruno Cavalcanti de Araújo (PSDB), prometeu liberar R$ 50 milhões para a construção de unidades habitacionais populares na capital. Em um vídeo ao lado de Doria, o titular da pasta confirmou o investimento e ainda elogiou o colega tucano: “É um prazer trabalhar com a equipe competente do prefeito”.

 

A boa vontade da administração Temer não foi a mesma quando Alckmin esteve em Brasília – DF na semana retrasada cobrando a parte do governo federal – R$ 620 milhões – nas obras do Rodoanel. Na ocasião, Temer “ficou de verificar”” a situação e o Ministério dos Transportes não apresentou um cronograma de pagamento.

 

Em caráter reservado, aliados de Alckmin creditam a má vontade de Temer à decisão do governador de não mobilizar votos entre os deputados paulistas para barrar a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), por obstrução da Justiça e organização criminosa, contra o presidente no plenário da Câmara.

 

“O governador Geraldo Alckmin não se movimentou e não vai se movimentar para pedir votos aos deputados”, disse o deputado Silvio França Torres (PSDB), secretário-geral do PSDB e aliado do governador.

 

Questionado se Temer pediu ajuda na votação sobre a denúncia da PGR, Doria desconversou: “Não tratamos desse assunto. Não houve solicitação da parte dele, portanto não houve resposta ao que não foi solicitado”.

 

A avaliação dos tucanos é de que Doria não tem a mesma influência na bancada que Alckmin, mas representa hoje um contraponto a seu padrinho político. Enquanto o governador, que é pré-candidato à Presidência da República, se movimenta com independência em relação ao Palácio do Planalto, o prefeito, que também pleiteia a vaga, se coloca como um aliado confiável e afinado com a ala governista do PSDB.

 

Doria é visto no PMDB e em parte do DEM como um potencial candidato à Presidência da situação em 2018. Já Alckmin espera disputar por seu partido, com apoio do PSB, com discurso de centro-esquerda e sem o selo de aliado de Temer.

 

Na disputa interna pelo controle do PSDB, Doria se reaproximou de Aécio Neves e alinhou-se com o grupo dos “cabeças brancas”, que defende a manutenção da coalizão dos tucanos com Temer e o PMDB.

 

Para aliados do prefeito, a aliança com esse campo pode ser a única chance de Doria conseguir a indicação da legenda para disputar à Presidência no próximo ano.

Enquanto o governador de São Paulo, Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, Geraldo Alckmin (PSDB), enfrenta dificuldades para conseguir do governo federal a liberação de recursos para as obras do Rodoanel, o prefeito da capital, João Doria Junior (PSDB), recebe de ministros a garantia de investimentos na administração municipal.

 

Após um jantar reservado de duas horas na terça-feira (17) com o presidente Michel Miguel Elias Temer Lulia, Michel Temer (PMDB), Doria disse que um dos temas tratados foi uma linha de crédito bilionária do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para um programa de asfaltamento das ruas da cidade.

 

“Tratamos do empréstimo do BNDES para o asfalto no valor de R$ 1 bilhão, que vai sair. Está bem avançado. Vai ser aprovado antes do fim do ano e no começo do ano que vem (o programa) será colocado em prática”, disse Doria.

 

Do ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho (DEM), o prefeito ouviu a promessa de liberação de R$ 162 milhões para a construção de 22 creches e três Centros Educacionais Unificados (CEUs) na cidade. No fim do encontro, Doria gravou um vídeo ao lado do ministro falando do investimento.

 

Na mesma linha, o ministro das Cidades, Bruno Cavalcanti de Araújo (PSDB), prometeu liberar R$ 50 milhões para a construção de unidades habitacionais populares na capital. Em um vídeo ao lado de Doria, o titular da pasta confirmou o investimento e ainda elogiou o colega tucano: “É um prazer trabalhar com a equipe competente do prefeito”.

 

A boa vontade da administração Temer não foi a mesma quando Alckmin esteve em Brasília – DF na semana retrasada cobrando a parte do governo federal – R$ 620 milhões – nas obras do Rodoanel. Na ocasião, Temer “ficou de verificar”” a situação e o Ministério dos Transportes não apresentou um cronograma de pagamento.

 

Em caráter reservado, aliados de Alckmin creditam a má vontade de Temer à decisão do governador de não mobilizar votos entre os deputados paulistas para barrar a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), por obstrução da Justiça e organização criminosa, contra o presidente no plenário da Câmara.

 

“O governador Geraldo Alckmin não se movimentou e não vai se movimentar para pedir votos aos deputados”, disse o deputado Silvio França Torres (PSDB), secretário-geral do PSDB e aliado do governador.

 

Questionado se Temer pediu ajuda na votação sobre a denúncia da PGR, Doria desconversou: “Não tratamos desse assunto. Não houve solicitação da parte dele, portanto não houve resposta ao que não foi solicitado”.

 

A avaliação dos tucanos é de que Doria não tem a mesma influência na bancada que Alckmin, mas representa hoje um contraponto a seu padrinho político. Enquanto o governador, que é pré-candidato à Presidência da República, se movimenta com independência em relação ao Palácio do Planalto, o prefeito, que também pleiteia a vaga, se coloca como um aliado confiável e afinado com a ala governista do PSDB.

 

Doria é visto no PMDB e em parte do DEM como um potencial candidato à Presidência da situação em 2018. Já Alckmin espera disputar por seu partido, com apoio do PSB, com discurso de centro-esquerda e sem o selo de aliado de Temer.

 

Na disputa interna pelo controle do PSDB, Doria se reaproximou de Aécio Neves e alinhou-se com o grupo dos “cabeças brancas”, que defende a manutenção da coalizão dos tucanos com Temer e o PMDB.

 

Para aliados do prefeito, a aliança com esse campo pode ser a única chance de Doria conseguir a indicação da legenda para disputar à Presidência no próximo ano.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]