Funaro diz que Temer recebeu propina do grupo Bertin

O doleiro Lúcio Bolonha Funaro, delator da Operação Lava Jato, disse em depoimento na terça-feira (31) que o presidente Michel Miguel Elias Temer Lulia,  Michel Temer (PMDB) e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Wellington Moreira Franco, receberam propinas da Bertin por aporte obtido pelo grupo na Caixa.

 

O delator afirmou que provas dos pagamentos constam de uma agenda e de um caderno apreendidos com ele e com a empresa.

 

Funaro está sendo interrogado na Justiça Federal em Brasília – DF como réu em ação penal que apura esquema de desvio de recursos no banco público. Desde as 9h30, ele responde a questionamentos da defesa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cosentino da Cunha (PMDB), também réu e presente à audiência.

 

Funaro relatou que operava para a família Bertin e ajudou a intermediar a liberação dos recursos da Caixa Econômica Federal para a empresa Nova Cibe, ligada à Bertin.

 

Ele contou que representantes do grupo, entre eles Natalino Bertin, dono do grupo, vieram a Brasília e, após uma reunião com Moreira Franco, então vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, conseguiram o aporte. O encontro teria ocorrido na Caixa.

 

Perguntado se Moreira foi corrompido por conta da suposta ajuda ao grupo, Funaro respondeu: “Essa operação, por exemplo, tenho certeza de que ele recebeu dinheiro”.

 

O delator contou que Temer não obteve recursos diretamente pela operação, mas que, como reflexo do investimento da Caixa, foi beneficiado, mais adiante, pela Bertin como com recursos de doações de campanha.

 

Funaro explicou que, em 2010, procurou a Bertin para acertar contribuições ao PMDB. Após um almoço no hotel Mofarrej, em São Paulo – SP, do qual teriam participado ele próprio Cunha e Natalino Bertin, teriam sido combinados os valores das doações.

 

O doleiro disse que Temer recebeu “R$ 2 milhões ou R$ 2,5 milhões” em contribuições. Afirmou achar que esses valores foram pagos oficialmente ao PMDB nacional.

 

Mais R$ 1 milhão teria sido destinado a Cunha e “R$ 1 milhão ou R$ 1,5 milhão” ao ex-deputado Cândido Elpídio de Souza Vaccarezza (ex-PT, atualmente filiado ao Avante-SP). Nesses dois casos, os recursos teriam sido repassados por dentro e por fora.

 

O delator disse que ele próprio monitorava quais empresas do grupo faziam as doações e repassava as informações aos políticos. Explicou que o controle dos pagamentos foi feito por ele próprio numa agenda apreendida pela Polícia Federal, na qual registrava informações como “cobrar Natalino Bertin de doação para o Temer”. Dados a respeito também teriam sido anotados num caderno de Natalino, também de posse da PF.

O doleiro Lúcio Bolonha Funaro, delator da Operação Lava Jato, disse em depoimento na terça-feira (31) que o presidente Michel Miguel Elias Temer Lulia,  Michel Temer (PMDB) e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Wellington Moreira Franco, receberam propinas da Bertin por aporte obtido pelo grupo na Caixa.

 

O delator afirmou que provas dos pagamentos constam de uma agenda e de um caderno apreendidos com ele e com a empresa.

 

Funaro está sendo interrogado na Justiça Federal em Brasília – DF como réu em ação penal que apura esquema de desvio de recursos no banco público. Desde as 9h30, ele responde a questionamentos da defesa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cosentino da Cunha (PMDB), também réu e presente à audiência.

 

Funaro relatou que operava para a família Bertin e ajudou a intermediar a liberação dos recursos da Caixa Econômica Federal para a empresa Nova Cibe, ligada à Bertin.

 

Ele contou que representantes do grupo, entre eles Natalino Bertin, dono do grupo, vieram a Brasília e, após uma reunião com Moreira Franco, então vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, conseguiram o aporte. O encontro teria ocorrido na Caixa.

 

Perguntado se Moreira foi corrompido por conta da suposta ajuda ao grupo, Funaro respondeu: “Essa operação, por exemplo, tenho certeza de que ele recebeu dinheiro”.

 

O delator contou que Temer não obteve recursos diretamente pela operação, mas que, como reflexo do investimento da Caixa, foi beneficiado, mais adiante, pela Bertin como com recursos de doações de campanha.

 

Funaro explicou que, em 2010, procurou a Bertin para acertar contribuições ao PMDB. Após um almoço no hotel Mofarrej, em São Paulo – SP, do qual teriam participado ele próprio Cunha e Natalino Bertin, teriam sido combinados os valores das doações.

 

O doleiro disse que Temer recebeu “R$ 2 milhões ou R$ 2,5 milhões” em contribuições. Afirmou achar que esses valores foram pagos oficialmente ao PMDB nacional.

 

Mais R$ 1 milhão teria sido destinado a Cunha e “R$ 1 milhão ou R$ 1,5 milhão” ao ex-deputado Cândido Elpídio de Souza Vaccarezza (ex-PT, atualmente filiado ao Avante-SP). Nesses dois casos, os recursos teriam sido repassados por dentro e por fora.

 

O delator disse que ele próprio monitorava quais empresas do grupo faziam as doações e repassava as informações aos políticos. Explicou que o controle dos pagamentos foi feito por ele próprio numa agenda apreendida pela Polícia Federal, na qual registrava informações como “cobrar Natalino Bertin de doação para o Temer”. Dados a respeito também teriam sido anotados num caderno de Natalino, também de posse da PF.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]