43 visualizações

Especialista questiona Sistema Nacional de Segurança no Brasil

O ex-chefe do Estado Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ), coronel Robson Rodrigues, conversou com a Sputnik Brasil sobre a proposta de criar um Sistema Nacional de Segurança Pública no Brasil.

 

O governo do Acre promoveu nos dias 26 e 27 de outubro o Encontro de Governadores do Brasil pela Segurança Pública e Controle das Fronteiras – Narcotráfico. Além dos governadores, participaram representantes dos três poderes da República debatendo medidas para intensificar o combate ao tráfico de drogas, armas e munições.

 

Ao abrir os debates, o governador Tião Viana, anfitrião do Encontro, afirmou que “o Brasil vive o mais grave momento da violência”. Segundo ele, “os índices crescem a cada ano e a razão de tudo isso é o narcotráfico e o tráfico de armas”.

 

“Temos um cenário com 93% das drogas sendo produzidas na Bolívia e no Peru. As armas vêm dos Estados Unidos e da China e a rota é sobretudo pela Bolívia e pelo Peru. Temos que dar um basta nisso”, observou.

 

Para o coronel Robson Rodrigues, ex-chefe do Estado Maior da PMERJ, hoje comentarista de Segurança Pública e Pesquisador do Laboratório de Análise da Violência da UERJ, o Brasil passa por um momento assustador, em que “temos uma média de 60 mil homicídios dolosos por ano no país, mortes intencionais”.

 

“É um fato muito ruim que deixa o Brasil em primeiro lugar em número de homicídios no mundo. A maior parte dessas mortes é produzida por armas de fogo e isso mostra o quanto a sociedade brasileira é violenta”, declarou.

 

Em relação à proposta do governador Tião Viana para criação de um Sistema Nacional de Segurança Pública, com objetivo de uma repressão mais eficaz para estes crimes, Robson Rodrigues afirmou que, no papel, o sistema de segurança nacional já existe, mas falta efetividade.

 

“Já passou do tempo de termos este Sistema Nacional de Segurança Pública. No papel, ele existe. O artigo 144 da Constituição Federal diz que ‘a segurança pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, e é exercida para preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio’. Então, oficialmente, o Sistema existe. Falta é dar efetividade a ele”, frisou.

 

“O governador Tião Viana disse que a maior parte das drogas que entra no Brasil [93%] vem da Bolívia e do Peru”. O governador se esqueceu de incluir a Colômbia. Há países em que a produção maior é a da folha da coca (matéria prima da droga) e há países em que o processamento da droga [cloridato de cocaína] é maior. Além desses países, você também pode incluir o México, um país em que a produção e o comércio de drogas são muito intensos. “Então, a questão não é apenas de quem é o maior produtor ou o maior fornecedor de drogas, e sim do estabelecimento de políticas públicas e integradas para repressão aos criminosos e a um mercado que não para de se expandir”, comentou.

 

Segundo o coronel, a situação é crítica e exige muita atenção das autoridades de todos os níveis. “Onde o comércio de drogas encontra vulnerabilidades, de segurança e de ordem social, ele se expande. E com a expansão do comércio de drogas, aumentam os índices de violência”, disse.

 

“Há estimativas por meio de estudos mundiais que o tráfico internacional de drogas movimenta 320 bilhões de dólares por ano em todo mundo. Ora, quando se alia este fato à situações de vulnerabilidade, corrupção policial e políticas ineficientes à sua  repressão,  encontra-se o cenário ideal para este mercado prosperar cada vez mais”, completou.

O ex-chefe do Estado Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ), coronel Robson Rodrigues, conversou com a Sputnik Brasil sobre a proposta de criar um Sistema Nacional de Segurança Pública no Brasil.

 

O governo do Acre promoveu nos dias 26 e 27 de outubro o Encontro de Governadores do Brasil pela Segurança Pública e Controle das Fronteiras – Narcotráfico. Além dos governadores, participaram representantes dos três poderes da República debatendo medidas para intensificar o combate ao tráfico de drogas, armas e munições.

 

Ao abrir os debates, o governador Tião Viana, anfitrião do Encontro, afirmou que “o Brasil vive o mais grave momento da violência”. Segundo ele, “os índices crescem a cada ano e a razão de tudo isso é o narcotráfico e o tráfico de armas”.

 

“Temos um cenário com 93% das drogas sendo produzidas na Bolívia e no Peru. As armas vêm dos Estados Unidos e da China e a rota é sobretudo pela Bolívia e pelo Peru. Temos que dar um basta nisso”, observou.

 

Para o coronel Robson Rodrigues, ex-chefe do Estado Maior da PMERJ, hoje comentarista de Segurança Pública e Pesquisador do Laboratório de Análise da Violência da UERJ, o Brasil passa por um momento assustador, em que “temos uma média de 60 mil homicídios dolosos por ano no país, mortes intencionais”.

 

“É um fato muito ruim que deixa o Brasil em primeiro lugar em número de homicídios no mundo. A maior parte dessas mortes é produzida por armas de fogo e isso mostra o quanto a sociedade brasileira é violenta”, declarou.

 

Em relação à proposta do governador Tião Viana para criação de um Sistema Nacional de Segurança Pública, com objetivo de uma repressão mais eficaz para estes crimes, Robson Rodrigues afirmou que, no papel, o sistema de segurança nacional já existe, mas falta efetividade.

 

“Já passou do tempo de termos este Sistema Nacional de Segurança Pública. No papel, ele existe. O artigo 144 da Constituição Federal diz que ‘a segurança pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, e é exercida para preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio’. Então, oficialmente, o Sistema existe. Falta é dar efetividade a ele”, frisou.

 

“O governador Tião Viana disse que a maior parte das drogas que entra no Brasil [93%] vem da Bolívia e do Peru”. O governador se esqueceu de incluir a Colômbia. Há países em que a produção maior é a da folha da coca (matéria prima da droga) e há países em que o processamento da droga [cloridato de cocaína] é maior. Além desses países, você também pode incluir o México, um país em que a produção e o comércio de drogas são muito intensos. “Então, a questão não é apenas de quem é o maior produtor ou o maior fornecedor de drogas, e sim do estabelecimento de políticas públicas e integradas para repressão aos criminosos e a um mercado que não para de se expandir”, comentou.

 

Segundo o coronel, a situação é crítica e exige muita atenção das autoridades de todos os níveis. “Onde o comércio de drogas encontra vulnerabilidades, de segurança e de ordem social, ele se expande. E com a expansão do comércio de drogas, aumentam os índices de violência”, disse.

 

“Há estimativas por meio de estudos mundiais que o tráfico internacional de drogas movimenta 320 bilhões de dólares por ano em todo mundo. Ora, quando se alia este fato à situações de vulnerabilidade, corrupção policial e políticas ineficientes à sua  repressão,  encontra-se o cenário ideal para este mercado prosperar cada vez mais”, completou.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]