Empresa alemã investiga trabalho escravo no Brasil

A fabricante alemã de doces Haribo informou na sexta-feira (27) que está investigando fornecedores devido a alegações de uso de trabalho escravo em plantações no Brasil. A Haribo, famosa por seus ursinhos de goma com sabores de fruta, se tornou alvo de críticas neste mês depois que um documentário de uma televisão da Alemanha alegou que trabalhadores que produzem um ingrediente essencial para a fabricação dos doces, a cera de carnaúba, estão sendo sujeitados a uma forma de escravidão moderna.

 

Os trabalhadores que colhem folhas de palmeira para obter a cera estariam sendo forçados a dormir ao relento e não teriam acesso a água potável, de acordo com um episódio do programa “Markencheck” (“Teste de Marca”), que foi ao ar neste mês.

 

“Estamos extremamente preocupados com algumas das imagens mostradas no programa sobre consumo”, disse uma porta-voz da Haribo em comunicado. “As condições nas plantações brasileiras mostradas são insuportáveis”.

 

“Estamos investigando com nossos fornecedores de primeira linha a natureza precisa das condições nas plantações e fazendas que as suprem”, acrescentou a porta-voz. “Além disso, atualmente estamos trabalhando em uma auditoria imediata de nossos fornecedores”.

 

A cera de carnaúba, que é usada para tornar os doces brilhantes e impedir que grudem uns nos outros, é produzida em Estados do Nordeste brasileiro e exportada para todo o mundo para ser usada em vários produtos, que vão de óleo automotivo a pastas para engraxar sapatos e fio dental.

 

Empresa familiar, a Haribo foi fundada em 1920 e emprega 7.000 pessoas em dez países. Ela deu à Alemanha um de seus slogans comerciais mais famosos prometendo fazer crianças e adultos felizes.

A fabricante alemã de doces Haribo informou na sexta-feira (27) que está investigando fornecedores devido a alegações de uso de trabalho escravo em plantações no Brasil. A Haribo, famosa por seus ursinhos de goma com sabores de fruta, se tornou alvo de críticas neste mês depois que um documentário de uma televisão da Alemanha alegou que trabalhadores que produzem um ingrediente essencial para a fabricação dos doces, a cera de carnaúba, estão sendo sujeitados a uma forma de escravidão moderna.

 

Os trabalhadores que colhem folhas de palmeira para obter a cera estariam sendo forçados a dormir ao relento e não teriam acesso a água potável, de acordo com um episódio do programa “Markencheck” (“Teste de Marca”), que foi ao ar neste mês.

 

“Estamos extremamente preocupados com algumas das imagens mostradas no programa sobre consumo”, disse uma porta-voz da Haribo em comunicado. “As condições nas plantações brasileiras mostradas são insuportáveis”.

 

“Estamos investigando com nossos fornecedores de primeira linha a natureza precisa das condições nas plantações e fazendas que as suprem”, acrescentou a porta-voz. “Além disso, atualmente estamos trabalhando em uma auditoria imediata de nossos fornecedores”.

 

A cera de carnaúba, que é usada para tornar os doces brilhantes e impedir que grudem uns nos outros, é produzida em Estados do Nordeste brasileiro e exportada para todo o mundo para ser usada em vários produtos, que vão de óleo automotivo a pastas para engraxar sapatos e fio dental.

 

Empresa familiar, a Haribo foi fundada em 1920 e emprega 7.000 pessoas em dez países. Ela deu à Alemanha um de seus slogans comerciais mais famosos prometendo fazer crianças e adultos felizes.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]