16 visualizações

Desempenho do Congresso é aprovado por 5% e reprovado por 60%, diz Datafolha

Uma pesquisa do Instituto Datafolha feita com 2.765 pessoas nos dias 29 e 30 de Novembro e divulgada na quarta-feira (6) pelo jornal Folha de S.Paulo informa os seguintes percentuais de avaliação do Congresso Nacional:

Ruim/péssimo: 60%

Regular: 31%

Ótimo/bom: 5%

Não sabe: 3%

 

A rejeição ao desempenho dos 513 deputados federais e 81 senadores foi a maior da história recente, bem como o índice de aprovação, de acordo com o jornal. As pesquisas do Datafolha tiveram início em 1993.

 

Nos dois últimos levantamentos do Datafolha sobre o Congresso – em Dezembro de 2016 e abril de 2017 – a reprovação já havia sido recorde. As pesquisas mostraram 58% de rejeição e 7% de aprovação.

 

O resultado desta pesquisa está mais próximo do registrado em 1993, último ano da hiperinflação e data do estouro do escândalo dos Anões do Orçamento, grupo de congressistas acusados de desviar recursos públicos para os próprios bolsos. No segundo semestre, 56% da população rejeitava o trabalho dos parlamentares, de acordo com o instituto.

 

A única vez em que o Datafolha apontou uma avaliação positiva nos últimos 25 anos foi em dezembro de 2003, primeiro ano da primeira gestão de Luiz Inácio Lula da Silva no Planalto (2003-2010).

 

A pesquisa mostra ainda detalhes dos perfis de quem reprova o trabalho do Congresso:

Os mais ricos: 74%

Com Ensino superior: 75%

Eleitores do presidenciável Jair Bolsonaro: 68%

Os que reprovam a gestão de Michel Temer: 69%

 

Já uma avaliação um pouco menos negativa do trabalho do Congresso é observada entre aqueles:

Com ensino fundamental: 52%

De religião evangélica pentecostal: 51%

Que têm o PMDB como partido de preferência: 42%

Que avaliam positivamente o governo Temer: 37%

Uma pesquisa do Instituto Datafolha feita com 2.765 pessoas nos dias 29 e 30 de Novembro e divulgada na quarta-feira (6) pelo jornal Folha de S.Paulo informa os seguintes percentuais de avaliação do Congresso Nacional:

Ruim/péssimo: 60%

Regular: 31%

Ótimo/bom: 5%

Não sabe: 3%

 

A rejeição ao desempenho dos 513 deputados federais e 81 senadores foi a maior da história recente, bem como o índice de aprovação, de acordo com o jornal. As pesquisas do Datafolha tiveram início em 1993.

 

Nos dois últimos levantamentos do Datafolha sobre o Congresso – em Dezembro de 2016 e abril de 2017 – a reprovação já havia sido recorde. As pesquisas mostraram 58% de rejeição e 7% de aprovação.

 

O resultado desta pesquisa está mais próximo do registrado em 1993, último ano da hiperinflação e data do estouro do escândalo dos Anões do Orçamento, grupo de congressistas acusados de desviar recursos públicos para os próprios bolsos. No segundo semestre, 56% da população rejeitava o trabalho dos parlamentares, de acordo com o instituto.

 

A única vez em que o Datafolha apontou uma avaliação positiva nos últimos 25 anos foi em dezembro de 2003, primeiro ano da primeira gestão de Luiz Inácio Lula da Silva no Planalto (2003-2010).

 

A pesquisa mostra ainda detalhes dos perfis de quem reprova o trabalho do Congresso:

Os mais ricos: 74%

Com Ensino superior: 75%

Eleitores do presidenciável Jair Bolsonaro: 68%

Os que reprovam a gestão de Michel Temer: 69%

 

Já uma avaliação um pouco menos negativa do trabalho do Congresso é observada entre aqueles:

Com ensino fundamental: 52%

De religião evangélica pentecostal: 51%

Que têm o PMDB como partido de preferência: 42%

Que avaliam positivamente o governo Temer: 37%

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]