CNBB condena “barganha de emendas” para barrar denúncia

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma nota dois dias depois da sessão da Câmara dos Deputados que impediu a investigação do presidente Michel Miguel Elias Temer Lulia, Michel Temer (PMDB) por obstrução à Justiça, na qual condena a “barganha na liberação de emendas parlamentares pelo governo” e faz um alerta sobre a situação social e política do País. De acordo com a CNBB, existe um divórcio entre a classe política e a sociedade brasileira.

 

“A barganha na liberação de emendas parlamentares pelo governo é uma afronta aos brasileiros (…). O divórcio entre o mundo político e a sociedade brasileira é grave”, disse a CNBB na nota.

 

O jornal O Estado de S. Paulo revelou na última quarta-feira (25) que o custo das medidas e concessões feitas a parlamentares para barrar as duas denúncias contra Temer pode chegar a R$ 32 bilhões.

 

De acordo com a CNBB, as práticas políticas causam apatia e descaso pela democracia na população em geral e até nos movimentos sociais, tradicionalmente mais engajados. O cenário, dizem os bispos, propicia o surgimento de salvadores da pátria, “radicalismo e fundamentalismos” e coloca em risco a democracia.

 

“Tais práticas ferem a política e a esperança dos cidadãos que parecem não mais acreditar na força transformadora e renovadora do voto. É grave tirar a esperança de um povo. Urge ficar atentos, pois, situações como esta abrem espaço para salvadores da pátria, radicalismos e fundamentalismos que aumentam a crise e o sofrimento, especialmente dos mais pobres, além de ameaçar a democracia no País”, disse a CNBB no texto.

 

Os bispos afirmam ainda que só a reação do povo é capaz de “purificar a política”. A nota incentiva que a população se manifeste de forma pacífica contra a retirada de direitos.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma nota dois dias depois da sessão da Câmara dos Deputados que impediu a investigação do presidente Michel Miguel Elias Temer Lulia, Michel Temer (PMDB) por obstrução à Justiça, na qual condena a “barganha na liberação de emendas parlamentares pelo governo” e faz um alerta sobre a situação social e política do País. De acordo com a CNBB, existe um divórcio entre a classe política e a sociedade brasileira.

 

“A barganha na liberação de emendas parlamentares pelo governo é uma afronta aos brasileiros (…). O divórcio entre o mundo político e a sociedade brasileira é grave”, disse a CNBB na nota.

 

O jornal O Estado de S. Paulo revelou na última quarta-feira (25) que o custo das medidas e concessões feitas a parlamentares para barrar as duas denúncias contra Temer pode chegar a R$ 32 bilhões.

 

De acordo com a CNBB, as práticas políticas causam apatia e descaso pela democracia na população em geral e até nos movimentos sociais, tradicionalmente mais engajados. O cenário, dizem os bispos, propicia o surgimento de salvadores da pátria, “radicalismo e fundamentalismos” e coloca em risco a democracia.

 

“Tais práticas ferem a política e a esperança dos cidadãos que parecem não mais acreditar na força transformadora e renovadora do voto. É grave tirar a esperança de um povo. Urge ficar atentos, pois, situações como esta abrem espaço para salvadores da pátria, radicalismos e fundamentalismos que aumentam a crise e o sofrimento, especialmente dos mais pobres, além de ameaçar a democracia no País”, disse a CNBB no texto.

 

Os bispos afirmam ainda que só a reação do povo é capaz de “purificar a política”. A nota incentiva que a população se manifeste de forma pacífica contra a retirada de direitos.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]