54 visualizações

China pode comprar dívida do Rio de Janeiro e dar fôlego financeiro que Crivella busca em Pequim

O prefeito do Rio de Janeiro – RJ, Marcelo Bezerra Crivella (PRB), negocia com o Banco de Desenvolvimento da China (CDB) uma engenharia financeira que possa dar fôlego aos cofres do município, informou na segunda-feira a Prefeitura da capital fluminense.

 

Em linhas gerais, o banco chinês compraria a dívida do Rio, permitindo ao governo municipal “alongar o prazo de pagamento da dívida e reduzir os juros cobrados pelos bancos federais brasileiros”, refinanciando US$ 2 bilhões no curto prazo, informou o conselho da cidade em um comunicado.

 

As negociações se chegar a esse acordo foram iniciadas na segunda-feira em Pequim, na China, durante uma visita de Crivella à capital do país asiático.

 

Na reunião, o diretor-geral da CBD, Jin Tao, manifestou interesse em promover desenvolvimento e infraestrutura na chamada Cidade Maravilhosa, bem como o desenvolvimento de empresas chinesas que já operam na cidade, acrescentou o comunicado.

 

“Queremos facilidades para investir e um ambiente seguro para isso”, disse Tao, que lembrou que o CDB já apoiou 46 projetos no Brasil, em diversas áreas, que somam US$ 55 bilhões. Ele enfatizou que agora o banco analisará detalhadamente a situação financeira do Rio e as garantias dadas para a operação pelo Banco Mundial e pelo governo brasileiro.

 

Durante sua visita à China, Crivella também se encontrou com a prefeita de Pequim, Chen Jining, com quem assinou acordos de cooperação em cultura, desenvolvimento sustentável, segurança, turismo e planejamento.

 

O CDB, fundado em 1994, é um dos principais bancos da China e nos últimos anos expandiu seus negócios na América Latina, especialmente em projetos de infraestrutura e desenvolvimento social na Argentina, Venezuela e Brasil.

 

Na mesma segunda-feira, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, assegurou que o Rio de Janeiro está “em um estado terminal” e que é necessário repensar planos estratégicos para melhorar a gestão de recursos públicos.

 

O Rio de Janeiro está em uma situação financeira difícil, devido à crise que afeta todo o país e, especificamente, à queda da coleção proveniente de royalties do petróleo.

 

A situação do município se junta ao governo do Estado homônimo, que é ainda mais crítico: pouco mais de um ano após ter decretado o estado de “calamidade financeira”, esta região do país depende das contribuições periódicas do governo central para manter a liquidez e lidar com pagamentos de servidores e fornecedores.

O prefeito do Rio de Janeiro – RJ, Marcelo Bezerra Crivella (PRB), negocia com o Banco de Desenvolvimento da China (CDB) uma engenharia financeira que possa dar fôlego aos cofres do município, informou na segunda-feira a Prefeitura da capital fluminense.

 

Em linhas gerais, o banco chinês compraria a dívida do Rio, permitindo ao governo municipal “alongar o prazo de pagamento da dívida e reduzir os juros cobrados pelos bancos federais brasileiros”, refinanciando US$ 2 bilhões no curto prazo, informou o conselho da cidade em um comunicado.

 

As negociações se chegar a esse acordo foram iniciadas na segunda-feira em Pequim, na China, durante uma visita de Crivella à capital do país asiático.

 

Na reunião, o diretor-geral da CBD, Jin Tao, manifestou interesse em promover desenvolvimento e infraestrutura na chamada Cidade Maravilhosa, bem como o desenvolvimento de empresas chinesas que já operam na cidade, acrescentou o comunicado.

 

“Queremos facilidades para investir e um ambiente seguro para isso”, disse Tao, que lembrou que o CDB já apoiou 46 projetos no Brasil, em diversas áreas, que somam US$ 55 bilhões. Ele enfatizou que agora o banco analisará detalhadamente a situação financeira do Rio e as garantias dadas para a operação pelo Banco Mundial e pelo governo brasileiro.

 

Durante sua visita à China, Crivella também se encontrou com a prefeita de Pequim, Chen Jining, com quem assinou acordos de cooperação em cultura, desenvolvimento sustentável, segurança, turismo e planejamento.

 

O CDB, fundado em 1994, é um dos principais bancos da China e nos últimos anos expandiu seus negócios na América Latina, especialmente em projetos de infraestrutura e desenvolvimento social na Argentina, Venezuela e Brasil.

 

Na mesma segunda-feira, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, assegurou que o Rio de Janeiro está “em um estado terminal” e que é necessário repensar planos estratégicos para melhorar a gestão de recursos públicos.

 

O Rio de Janeiro está em uma situação financeira difícil, devido à crise que afeta todo o país e, especificamente, à queda da coleção proveniente de royalties do petróleo.

 

A situação do município se junta ao governo do Estado homônimo, que é ainda mais crítico: pouco mais de um ano após ter decretado o estado de “calamidade financeira”, esta região do país depende das contribuições periódicas do governo central para manter a liquidez e lidar com pagamentos de servidores e fornecedores.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]