51 visualizações

Cármen Lúcia defende que revisão do foro privilegiado agiliza a Lava Jato

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia Antunes Rocha, declarou que a revisão do foro privilegiado para parlamentares favorece a Lava Jato. E ainda defendeu todas as outras medidas consideradas fundamentais pela força-tarefa para o êxito da operação devem ser garantias. No Brasil, a prerrogativa de foro atinge mais de 50 mil autoridades.

 

Carmen Lucia afirmou que a delação premiada, prisões preventivas e execução de pena após condenação em segunda instância agilizam os julgamentos do maior escândalo de corrupção já descoberto no Brasil. As declarações foram dadas em entrevista que foi manchete da edição do domingo (26) do jornal O Estado de S.Paulo.

 

“[A revisão do foro] favorece, porque faz com que aquilo que é relativo à Lava Jato seja julgado de maneira mais rápida e separa o que diz respeito a mandato, o que não diz o que é anterior, o que não é. Portanto nós teremos maior celeridade. Os processos da Lava Jato precisam ser julgados. A sociedade espera uma resposta, quer para condenar, quer para dizer que determinadas pessoas sejam absolvidas. É preciso que se julguem os crimes de corrupção, que ninguém suporta mais”, defendeu a ministra.

 

A presidente da Corte Suprema da Justiça do Brasil disse que um juiz de primeiro grau não resolve tudo, mas muda a forma de julgamento e pode ser mais rápido na prestação da jurisdição.

 

“Numa República, todo mundo tem de ser julgado pelo juiz natural. Você não pode já no artigo primeiro da Constituição, ter estabelecido a República, que tem na igualdade o seu fundamento, e depois desigualar”, defendeu a ministra.

 

Questionada sobre a suposta vantagem de haver uma maior visibilidade no julgamento de políticos com foro, transmitido ao vivo, no STF, em vez de um juiz de primeiro grau, sem holofotes, a presidente do Supremo disse que o importante é a garantia da igualdade, para o político e para quem não é político. “Não se deve presumir que o juiz fica vulnerável à pressão ou à presença ali e o Ministério Público Federal (MPF) tem que ficar alerta, questionar, recorrer”, afirmou.

 

Cármen Lúcia também ponderou a respeito de excessos e disse que a Constituição não pode ser atropelada em nome do combate à corrupção.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia Antunes Rocha, declarou que a revisão do foro privilegiado para parlamentares favorece a Lava Jato. E ainda defendeu todas as outras medidas consideradas fundamentais pela força-tarefa para o êxito da operação devem ser garantias. No Brasil, a prerrogativa de foro atinge mais de 50 mil autoridades.

 

Carmen Lucia afirmou que a delação premiada, prisões preventivas e execução de pena após condenação em segunda instância agilizam os julgamentos do maior escândalo de corrupção já descoberto no Brasil. As declarações foram dadas em entrevista que foi manchete da edição do domingo (26) do jornal O Estado de S.Paulo.

 

“[A revisão do foro] favorece, porque faz com que aquilo que é relativo à Lava Jato seja julgado de maneira mais rápida e separa o que diz respeito a mandato, o que não diz o que é anterior, o que não é. Portanto nós teremos maior celeridade. Os processos da Lava Jato precisam ser julgados. A sociedade espera uma resposta, quer para condenar, quer para dizer que determinadas pessoas sejam absolvidas. É preciso que se julguem os crimes de corrupção, que ninguém suporta mais”, defendeu a ministra.

 

A presidente da Corte Suprema da Justiça do Brasil disse que um juiz de primeiro grau não resolve tudo, mas muda a forma de julgamento e pode ser mais rápido na prestação da jurisdição.

 

“Numa República, todo mundo tem de ser julgado pelo juiz natural. Você não pode já no artigo primeiro da Constituição, ter estabelecido a República, que tem na igualdade o seu fundamento, e depois desigualar”, defendeu a ministra.

 

Questionada sobre a suposta vantagem de haver uma maior visibilidade no julgamento de políticos com foro, transmitido ao vivo, no STF, em vez de um juiz de primeiro grau, sem holofotes, a presidente do Supremo disse que o importante é a garantia da igualdade, para o político e para quem não é político. “Não se deve presumir que o juiz fica vulnerável à pressão ou à presença ali e o Ministério Público Federal (MPF) tem que ficar alerta, questionar, recorrer”, afirmou.

 

Cármen Lúcia também ponderou a respeito de excessos e disse que a Constituição não pode ser atropelada em nome do combate à corrupção.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]