32 visualizações

Alckmin terá que dividir cargos do PSDB entre grupos de Tasso e Perillo

O acordo para levar o nome do governador de São Paulo, Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, Geraldo Alckmin, para a presidência do PSDB se deu em nome da pacificação das correntes ligadas ao senador Tasso Ribeiro Jereissati e ao governador de Goiás, Marconi Ferreira Perillo Júnior, Marconi Perillo, que abriram mão de suas candidaturas, mas não de um espaço privilegiado na distribuição dos 20 cargos estratégicos restantes que compõem a Executiva Nacional.

 

Além da cobiçada primeira vice-presidência, o segundo posto mais importante de comando, na mira de Marconi, um dos primeiros desafios do futuro presidente Alckmin é administrar a disputa pelo comando do tão desejado Instituto Teotônio Vilela (ITV), vinculado ao partido, com orçamento estimado em cerca de R$ 20 milhões e que terá um papel fundamental em ano eleitoral, na mira do grupo de Tasso.

 

O senador cearense anunciou que, pessoalmente, não vai disputar nada, nem a sucessão de Alckmin se este for eleito presidente da República e tiver que se licenciar ou renunciar. Mas interlocutores informaram que ele pode indicar um nome do seu grupo para o ITV, hoje presidido pelo senador suplente José Aníbal Peres de Pontes, José Aníbal, do grupo de Marconi. Os nomes cotados são do senador afastado Ricardo de Rezende Ferraço e do deputado Pedro Oliveira Cunha Lima.

 

O mandato de Aníbal venceria em maio do próximo ano, mas, com a antecipação da convenção para Dezembro, ele teria que ser reconduzido por Alckmin em Dezembro ou ser substituído por outro nome indicado pelo novo presidente. Aníbal articula para ser mantido no cargo.

 

O ITV, como os demais institutos ligados aos partidos, tem entre suas atribuições realizar estudos, pesquisas, doutrinação, educação e formação políticas de seus filiados e candidatos. Realiza seminários e outras atividades culturais e docentes, organização e ação partidárias, dentre elas a informática e o marketing político e eleitoral. O instituto administra 20% de todos os recursos do Fundo Partidário destinados ao PSDB.

O acordo para levar o nome do governador de São Paulo, Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, Geraldo Alckmin, para a presidência do PSDB se deu em nome da pacificação das correntes ligadas ao senador Tasso Ribeiro Jereissati e ao governador de Goiás, Marconi Ferreira Perillo Júnior, Marconi Perillo, que abriram mão de suas candidaturas, mas não de um espaço privilegiado na distribuição dos 20 cargos estratégicos restantes que compõem a Executiva Nacional.

 

Além da cobiçada primeira vice-presidência, o segundo posto mais importante de comando, na mira de Marconi, um dos primeiros desafios do futuro presidente Alckmin é administrar a disputa pelo comando do tão desejado Instituto Teotônio Vilela (ITV), vinculado ao partido, com orçamento estimado em cerca de R$ 20 milhões e que terá um papel fundamental em ano eleitoral, na mira do grupo de Tasso.

 

O senador cearense anunciou que, pessoalmente, não vai disputar nada, nem a sucessão de Alckmin se este for eleito presidente da República e tiver que se licenciar ou renunciar. Mas interlocutores informaram que ele pode indicar um nome do seu grupo para o ITV, hoje presidido pelo senador suplente José Aníbal Peres de Pontes, José Aníbal, do grupo de Marconi. Os nomes cotados são do senador afastado Ricardo de Rezende Ferraço e do deputado Pedro Oliveira Cunha Lima.

 

O mandato de Aníbal venceria em maio do próximo ano, mas, com a antecipação da convenção para Dezembro, ele teria que ser reconduzido por Alckmin em Dezembro ou ser substituído por outro nome indicado pelo novo presidente. Aníbal articula para ser mantido no cargo.

 

O ITV, como os demais institutos ligados aos partidos, tem entre suas atribuições realizar estudos, pesquisas, doutrinação, educação e formação políticas de seus filiados e candidatos. Realiza seminários e outras atividades culturais e docentes, organização e ação partidárias, dentre elas a informática e o marketing político e eleitoral. O instituto administra 20% de todos os recursos do Fundo Partidário destinados ao PSDB.

Posts Recentes: Popular Mais

Sobe para 18 os mortos em acidente com ônibus que levava universitários em SP

Subiu para 18 o número de mortos em um grave acidente com um ônibus da Companhia União Litoral, que capotou na noite de quarta-feira (8) na Rodovia Mogi-Bertioga. Havia pelo menos 46 pessoas a bordo. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, o motorista está entre os mortos e 31 pessoas ficaram feridas.   […]

Guilherme Campos (PSD) é nomeado presidente dos Correios

O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou Guilherme Campos Júnior (PSD) para exercer o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), conforme decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) da quinta-feira (9). Campos substituirá Giovanni Correa Queiroz, que foi exonerado ainda por Dilma Rousseff, em maio, na semana de seu afastamento […]